FANDOM


"Você estava certa, Diana. Eles não merecem a nossa ajuda. Eles só merecem destruição."
―Ares para Diana Prince[fonte]

Ares era o Velho Deus da Guerra, e o filho mais temido de Zeus, que era adorado pelos antigos gregos e romanos (embora esses o chamassem de Marte). Milênios atrás, Zeus criou as Amazonas como uma contingência contra o poder de Ares. Ares eventualmente iniciaria a Guerra dos Deuses, matando quase todos os Velhos Deuses e ferindo Zeus, mas foi derrotado e gravemente ferido pelo Rei dos Deuses e foi incapaz de impedir que Zeus criasse a Mulher-Maravilha e Themyscira, deixando-o temporariamente incapacitado e permanentemente mais fraco, mas ainda não pôde ser oposição na busca de Ares para destruir a humanidade por causa de sua morte, oriunda das feridas que teve.[1]

Ares passou muito tempo influenciando a humanidade a criar armas que ele esperavam que eles usassem para destruir uns aos outros. Ares então reapareceu durante a Primeira Guerra Mundial, se disfarçando de Sir Patrick Morgan, e inspirando a Doutora Veneno a desenvolver uma poderosa e mortal arma gasosa, que desejava usar para destruir a humanidade, uma raça pela qual ele desenvolveu profundo ciúme. No final os planos de Ares foram frustados, com a Mulher-Maravilha o matando e acabando com a Primeira Guerra Mundial, assim como sua influência maligna na humanidade de uma vez por todas.[1]

Biografia

Início da vida

Ares nasceu milênios atrás por Zeus, Rei dos Velhos Deuses, como um de seus muitos filhos deuses.[1]

Invasão na Terra

Jovem Ares batalhando

Ares luta contra Lobo da Estepe.

Quando o Lobo da Estepe atacou a Terra com seu exército de Parademônios pela primeira vez, Ares foi capaz de colocar de lado seus desgosto pela humanidade e juntar forças com seu pai Zeus e meia-irmã Ártemis na batalha contra os invasores. Ares lutou contra Lobo da Estepe pessoalmente, acertando-o com seu machado direto no ombro.[2]

Corrompendo a humanidade

Ares desprezou a raça humana que Zeus criou, então ele começou a corrompê-los com guerra, desejo por sangue e violência. Zeus respondeu criando uma nova raça - as Amazonas, que tinham como objetivo proteger a humanidade da influência de Ares, espalhando amor e compaixão.[1]

Guerra dos Deuses

Zeus versus Ares

Ares luta contra seu pai, Zeus.

Apesar de sua ajuda contra o Lobo da Estepe para salvar a humanidade, o desprezo de Ares pela raça humana só crescia com o tempo, e Ares fez o seu melhor para persuadir os Velhos Deuses a ver o qual ele considerava a natureza maléfica dos humanos. Quando os outros deuses discordaram e prometeram apoiar a humanidade, Ares se rebelou violentamente, iniciando a Guerra dos Deuses no Olimpo, que resultou na morte dos outros Velhos Deuses por discordarem de seu extremismo.[1]

Finalmente, depois que Zeus criou Diana (como uma arma de contingência, que poderia salvar um dia a humanidade ao derrotar Ares) com Hipólita, o Rei dos Deuses enfrentou Ares, sem medo e hesitação. Embora Ares estivesse mais forte, ele achava que o poder e a habilidade de Zeus eram demais para superar e embora Ares tenha conseguido ferir seu pai consideravelmente, Zeus acabou ganhando, fazendo com que Ares fosse banido do Olimpo ainda ferido. Enquanto Ares estava focando seu poder para curar suas feridas, Zeus, com o que restou de seus poderes divinos, criou a ilha paradisíaca de Themyscira para as Amazonas viverem, escondidas do Deus da Guerra, fazendo com que Ares fique sem oposição em sua jornada para destruir a humanidade, ainda que estivesse mais fraco.[1]

Continuando á corromper a humanidade

"Todos esses anos eu sofri sozinho, sussurrando nos seus ouvidos, idéias. Inspiração para fórmulas, armas..."
―Ares para Diana[fonte]
Corrompendo a humanidade

Ares corrompe a humanidade.

Agora como o único Velho deus sobrevivente, e assim sem oposição, Ares mais uma vez volta a corromper a humanidade com guerra, determinado a acabar com a sua raça, mas que em última análise se mostrou ineficaz. Assim, em algum momento, Ares chegou á Terra, disfarçando-se de um homem velho e gentil chamado "Sir Patrick Morgan", e tornou-se um membro do Gabinete de Guerra Britânico. Secretamente, no entanto, Ares ajudou o general alemão Erich Ludendorff, induzindo ele e a Doutora Isabel Maru de forma má, essa ultima á criar um gás extremamente mortal, na qual Ares pretendia-a usar para acabar com a humanidade de uma vez por todas.[1]

A Grande Guerra

Em 1918, Ares testemunhou a vinda de Diana a Londres de Themyscira, mas manteve seu disfarce, inicialmente fingindo desconhecer sua verdadeira identidade. Quando Steve Trevor relatou sua descoberta do caderno de anotações da Doutora Maru, assim como a localização da base de Ludendorff, para o Departamento de Guerra, o resto do comitê negou-lhe a missão de interromper seus planos, o que faz com a ira de Diana apareça, na qual "Sir Patrick" apenas observou. Ares logo depois teve uma conversa com Trevor e Diana.[1]

Contra a vontade do comitê, Ares, mais tarde, se encontrou com Steve Trevor e o resto de seus compatriotas em um bar local e mostrou seu apoio a um ataque, fornecendo a eles fundos o suficiente para arranjarem transporte até a Bélgica, que faz com que recebe a gratidão de todos ali.[1]

Depois, Steve decidiu se infiltrar em uma festa celebrando o primeiro disparo de Ludendorff da primeira fórmula de gás mostarda da Doutora Veneno. Ao transmitir essa informação para Etta Candy, ela retransmite a informação para "Sir Patrick", que negou veemente o acesso de Trevor a essa festa, mesmo sabendo que Trevor iria com ou sem permissão.[1]

Tentando Diana

"Então você se uniria a mim e com as nossas forças unificadas, poderíamos finalmente acabar com toda a dor, sofrimento e destruição que eles promovem. E nós faríamos que esse mundo voltasse a ser o paraíso que era antes deles."
―Ares para Diana[fonte]
Depois de Trevor, Diana e o resto dos Homens Maravilha descobriram uma grande instalação de bombardeio fabricando e carregando gás mostarda para ser usado contra os Aliados, com Ares decidindo resolver o problema ele mesmo. Indo até a instalação, "Sir Patrick" finalmente se desfez do disfarce e revelou sua verdadeira identidade a Diana depois dela matar o General Ludendorff, a quem ela acreditava ser o verdadeiro Deus da Guerra. Ele concordou com os recentes sentimentos de sua meia-irmã de que a humanidade não merecia a ajuda dos Velhos Deuses, mas sim sua destruição. Ares então começou a explicar seu raciocínio por trás de tudo que ele havia feito até o momento. Depois de recuperar a espada "mata-deuses" do corpo do Ludendorff, Diana tenta atacá-lo com a espada, mas Ares simplesmente desintegrou a lâmina da espada com a palma da sua mão, afirmando que a espada não era a mata-deuses, mas que ela, Diana, era a mata-deuses. Ares continuou a tentar convencer Diana a se juntar a ele, dizendo que queria a erradicação da humanidade porque via o mal inerente às criações de Zeus, sussurrando nos ouvidos dos mortais, que ansiavam pela destruição. Do seu ponto de vista, a própria humanidade escolheu começar uma guerra com as idéias que ele plantou em suas cabeças; ele mesmo não tinha nada a ver com isso. Até mesmo a influência do Laço de Héstia não o dissuadiu; isso apenas aumentou sua determinação, pois ele usou o raio de Zeus para distorcer o Laço e mostrar a Diana ilusões vívidas de um mundo em paz, que só seria possível com o fim da humanidade. Apesar de seus esforços, Diana decidiu que não poderia fazer parte do plano de Ares.[1]

Morte

"Vamos ver o tipo de Deusa que você realmente é!"
―Ares para Diana[fonte]
Ares contra o Laço de Hestia

Ares convencendo sua meia-irmã.

O Deus da Guerra, então, lamentavelmente se envolveu com sua meia-irmã em combate, começando ao destruir a torre em que estavam, fazendo com que Diana voasse. Vendo que ela sobreviveu, ele começou a tentar atingir ela com lajes de metal no chão, usando telecinesia, mas ela dissuadiu esses esforços. Ares notou a ingenuidade de sua meia-irmã quando ela tentou chicoteá-lo com o Laço de Héstia, simplesmente criando fortes ventos para para jogá-lo longe e evitando um arremesso de laje desviando no ar. Ele então tentou esmagar Diana com um pedaço de concreto erguido, mas ela facilmente se esquivou e bateu nele com seus braceletes. Jogado fora, Ares impediu que uma caixa cheia de explosivos o alcançasse, mas Diana causou uma explosão simplesmente jogando outra caixa, temporariamente incapacitando os dois.[1]

Ares forjando armas

Ares forjando espadas com restos de armamentos.

Depois que os dois se recuperaram, Ares começou a levar a luta mais a sério, manipulando o metal em torno dele em um traje improvisado de armadura de placas, com um capacete de estilo espartano, e saiu indiferente do lugar em chama onde estava, tendo revelado sua verdadeira forma. Diana correu até ele, e Ares responde lançando enormes pedaços de metal e combatendo-a com suas espadas recém-forjadas. Mesmo em luta, o Deus da Guerra continuou a afirmar que a humanidade iria morrer, com nenhum deles ganhando vantagem sobre o outro, até que Ares sufocou Diana e a jogou em um grande tanque, envolvendo-a com suas peças.

Ares diz a Diana para matar a Doutora Maru

Ares diz a Diana para matar a Doutora Veneno.

Ares condescendentemente ameaçou Diana e tentou forçar sua rendição, mas Diana testemunhou o suicídio abnegado do Capitão Trevor ao explodir o avião de gás mostarda, fazendo-a lançar uma onda de choque em Ares, que o empurra para longe. O Deus da Guerra então começou a vê-la combater os soldados alemães com grande raiva, e ele começou a tentá-la mais uma vez, na crença de que Diana finalmente viu seu ponto de vista e continuando a declarar a fraqueza da humanidade, e apressando a violência, mesmo distorcendo o sacrifício heroico de Trevor como se ele estivesse deixando Diana. Ela lançou seus punhos no rosto de Ares, apenas para ele empurrá-la para trás e lançando o carro da Dra. Veneno, jogando a cientista louca para fora do carro como um contra-argumento final para Diana. Totalmente irritada, Diana quase esmagou Veneno com um tanque até que ela relembra as últimas palavras de Steve Trevor. Doutora Veneno escapou quando Diana se aproximou de seu meio-irmão e lhe disse que embora a humanidade fosse realmente tudo o que Ares disse que eram, eles também eram muito mais do que aquilo que aparentavam.[1]

Ares sumonando raios

Ares lançando raios.

Enraivado, Ares lançou outro grupo de espadas poderosas e as atirou em Diana, mas todas as espadas que tentaram alcançá-la desintegraram-se, mostrando que ela finalmente havia alcançado seus poderes dos Velhos Deuses através de suas emoções. Determinada, ela lançou outra onda de choque que aterrou Ares e removeu seu capacete. Furioso, o Deus da Guerra lançou um raio ao afirmar que a humanidade não merecia o amor de Diana, mas Diana bloqueava e absorvia suas energias, enquanto contava que não se tratava de merecer seu amor, mas de acreditar em uma causa, e que a dela era definitivamente a do amor. Finalmente, à beira da loucura por causa da rejeição de sua causa, Ares sumunou outro raio, ainda mais poderoso do que o anterior e enviou, com toda a sua intensidade, em sua irmã, que absorvia mais energia graças a seus braceletes. Agora totalmente surpreso, Ares apenas pôde assistir ela redirecionar o raio de volta á ele, o destruindo de uma vez por todas, e assim acabando com a existência dos Velhos Deuses.[1]

Personalidade

Ares elmo

Face de Ares.

Ares, como o Deus da Guerra, é extremamente violento, sanguinário, egoísta, sinistro e notoriamente malévolo, disposto a eliminar qualquer um que se coloque no caminho de suas ambições.

No entanto, durante a primeira Invasão na Terra, Ares parece ter sido um deus um pouco mais nobre, pois apesar de seu desgosto pela humanidade e por outros Velhos Deuses, Ares estava disposto a unir forças com Zeus e Ártemis e até mesmo com os humanos e outros exércitos para deterem os Novos Deuses. Na verdade, Ares mostrou uma quantidade surpreendente de bravura ao lutar sem medo com os invasores e até mesmo lutou contra o Lobo da Estepe, apesar deste haver um imenso poder, e até conseguir feri-lo, contribuindo bastante para a derrota da invasão. Ares aparentemente já foi até um tanto leal e respeitoso a seu pai Zeus, pois apesar de sua fama como desagradável e alienado de todos os outros Velhos Deuses, ele não se rebelou por séculos, embora esse seu estado não tenha durado pra sempre, como sua persistente antipatia por Zeus por criar a humanidade acabou por consumi-lo completamente.

No entanto, à medida que o tempo passava, Ares se tornava cada vez menos nobre e mais ressentido com os humanos que ajudou a salvar, e quando nenhum dos outros Velhos Deuses compartilhou de seu ponto de vista, ele os matou impiedosamente na Guerra dos Deuses, até mesmo tentando matar seu próprio pai, Zeus, com tudo o que ele tinha. Ares acabaria por instigar a devastadora Primeira Guerra Mundial, manipulando os dois lados dessa guerra, novamente mostrando seu ódio aos humanos, planejando usar o gás mostarda mortal da Doutora Veneno para eliminá-los. Assim, Ares é puramente maligno e irredimível, já que ele não hesita em se voltar contra seus aliados quando eles não são mais úteis para ele (como a Doutora Veneno), e até mesmo contra sua própria família, assassinando sua própria meia-irmã, Ártemis, e usando tudo em sua disposição para tentar matar seu pai Zeus quando este permaneceu no caminho de Ares, apesar de uma vez ter lutado contra o Lobo da Estepe junto com eles. De fato, a lealdade de Ares é apenas para aqueles que podem ser mais úteis para ele do que outros, pois ele apenas auxiliou os Impérios Centrais da Primeira Guerra Mundial e o General Ludendorff principalmente porque Ludendorff compartilhava a própria visão sadicamente romântica de Ares da guerra (que diz que serve a um propósito de melhorar os indivíduos, e exige sacrifícios humanos), e devido às invenções da Doutora Veneno, ofereceu-lhe uma maneira mais fácil de aniquilar grande parte da humanidade. No geral, Ares genuinamente se vê como um altruísta, dada a sua crença de que sem a existência da humanidade na Terra, o planeta seria um paraíso. Ele também aparentemente não queria matar os Velhos Deuses, ao invés de se rebelar imediatamente, ele tentou de tudo para persuadir seus parentes de que a humanidade é má e só se rebelou depois que eles deixaram claro que eles sempre apoiarão a humanidade.

Patrick Morgan

"Sir Patrick Morgan", o disfarce gentil e bondoso de Ares.

Ares é também extremamente inteligente e divinamente sábio, dada a sua duração de vida tremendamente longa e divina, permitindo-lhe uma visão inigualável dos traços mais sombrios da humanidade, algo que nenhum outro Deus Antigo tinha, além do seu pai, Zeus. Assim, mesmo quando não está utilizando seus poderes divinos, Ares ainda é extremamente perigoso e absolutamente letal. Apesar de sua natureza violenta e sanguinária, Ares é um gênio enganador que pode habilmente se esconder sob uma fachada de calma, bondade, perspicácia, bem como sua retórica persuasiva, com Ares geralmente não desejando lutar contra indivíduos que poderiam ser úteis para ele de outra forma, como a Mulher Maravilha. De fato, enquanto posava como o humano "Sir Patrick Morgan", Ares enganou não apenas a Mulher Maravilha, mas até mesmo os espiões altamente experientes como Steve Trevor e Sameer, que acreditaram que ele era um forte defensor dos Aliados, com ele financiando notavelmente os Homens Maravilha por sua expedição militar para encontrar e derrotar o general Ludendorff, com a Mulher Maravilha nunca suspeitando de "Sir Patrick" até ele se revelar voluntariamente a ela.

Ares é também um demagogo fenomenal, com o uso de argumentos divinamente sábios e aparentemente racionais, tornando o seu método ainda mais eficaz. Assim, mesmo depois de revelar a si mesmo e seus motivos para a Mulher Maravilha, Ares alegou ser o "Deus da Verdade, não da Guerra" (notadamente dizendo isso enquanto restringido pelo Laço de Héstia ), e ainda era bastante persuasivo em apresentar seus pontos de vista (ele dizendo não sendo realmente seu inimigo para Diana, e que a humanidade era inerentemente malévola e destrutiva, mesmo sem a sua influência), a tal ponto que até mesmo a Determinada Mulher-Maravilha fez uma pausa antes que ela pudesse responder. Como tal, Ares conseguiu animar a Mulher Maravilha com uma demonstração feroz de violência, e insultando o sacrifício de Steve Trevor, quase a matou a Doutora Veneno. A maior fraqueza de Ares é seu excesso de confiança e arrogância (assim como a Magia, o General Ludendorff e a Amanda Waller), acreditando que seu poder fenomenal e capacidade de se elevar da violência o torna praticamente imbatível. Isso finalmente se torna sua derrocada, já que Diana é capaz de usar suas emoções de amor e compaixão para dominar e derrotar Ares, cumprindo seu papel como a matadora de deuses.

Poderes e habilidades

Ares socando a Mulher Maravilha

Ares lutando contra a Mulher-Maravilha.

  • Fisiologia olimpiana: Como um Velho Deus, e filho do próprio Zeus, Ares é um ser divino surpreendentemente poderoso, aparentando ser mais poderoso do que a maioria dos Velhos Deuses. De fato, quando Ares estavam em seu pleno e total poder, ele rivalizou e feriou o Lobo da Estepe, que faz parte do panteão de Novos Deuses, e, mesmo quando enfraquecido, foi capaz de superar o poder da semideusa Mulher-Maravilha.
    • Longevidade: Ares, por ser um Deus olimpiano, pode viver por milênios, precedendo o tempo quando Zeus criou a humanidade e as Amazonas.
    • Super força: Ares, mesmo enfraquecido, tem uma tremenda força sobre-humana, notavelmente superior á da Mulher-Maravilha, com Ares sendo capaz de fazê-la voar com seus poderosos socos. Quando em sua forma natural, a força de Ares é muito maior, já que ele foi capaz de ferir o Lobo da Estepe, um dos Novos Deuses, em combate. Enquanto empoderado pela violência da Guerra dos Deuses, a força de Ares foi aumentada, matando todos os outros Velhos Deuses, e até mesmo foi capaz de lutar contra Zeus em igual antes de ser derrotado.
    • Invulnerabilidade: Ares, como um Velho Deus, não pode ser morto por meios superficiais, dado como Zeus foi morto por feridas infligidas por outro Velho Deus, o próprio Ares em questão. Como tal, a invulnerabilidade de Ares é aparentemente quase equivalente ao do Superman, com uma imunidade adicional á maioria dos ataques mágicos, o que lhe permitiu suportar conflagrações, e a força total de explosões massivas, numerosos golpes poderosos da Mulher-Maravilha (enquanto em sua forma humana enfraquecida e menor) sem danos permanentes. Enquanto em plena potência e aumentada pela violência da Guerra dos Deuses, Ares foi capaz de sobreviver até mesmo a um poderoso ataque divino de Zeus., embora ele tenha ficado gravemente ferido e incapacitado e enquanto ele se curava, Ares ficou muito mais fraco do que antes, o que permitiu que o próprio relâmpago divino aparentemente o 'matasse'.

Equipamentos

Ares em sua armadura

Armadura do Ares.

Ares, como o Deus da Guerra, tem várias poderosas armas divinas á sua disposição, na qual ele as pode usar á vontade. Quando em seu disfarce de "Sir Patrick Morgan", Ares é suficientemente influente e rico, sendo um membro do Gabinete de Guerra Britânico e tendo relações diplomáticas, ele foi facilmente capaz de prover fundos para a missão secreta de Steve Trevor contra o General Ludendorff e a Doutora Veneno.

  • Armadura de Batalha: A armadura negra e ferozmente intimidante de Ares, que tem um capacete de quatro chifres, na qual ele sempre usa em batalhas.
  • Espadas: As poderosas espadas de Ares foram empunhadas por ele tanto na Guerra dos Deuses quanto em sua batalha final contra a Mulher Maravilha.
  • Machado de Batalha: O poderoso machado de Ares foi empunhado por ele na primeira Invasão da Terra, com ele usando esse machado para ferir o Lobo da Estepe.
  • Correntes: Ares também foi capaz de materializar uma corrente de aço, capaz de quebrar um caminhão ao meio com um único balanço.
  • Bengala: Ares usou uma bengala enquanto posava como "Sir Patrick Morgan", a fim de apoiar a ilusão de que ele era imperfeito e frágil, e manter Diana Prince sem que suspeitar de que ele fosse o poderoso Deus da Guerra disfarçado.

Relacionamentos

Família

Aliados

Inimigos

Curiosidades

  • Ares é baseado no personagem de mesmo nome da DC Comics, que por sua vez é baseado no deus da Mitologia Grega de mesmo nome também. Ele é conhecido como o sanguinário Deus da Guerra, incentivando os homens a violência.
  • O Ares do Universo Estendido DC é um pouco diferente de sua contraparte da mitologia grega original – o Ares original tinha sido um estrategista bastante ruim, mais focado em derramamento de sangue irracional. Ele também é geralmente descrito como uma piada, sendo espancado por outros deuses (como Atena e Apolo), mortais heroicos (como Hércules ou Diomedes), insultados por Zeus, preso em um jarro pelos gigantes Otis e Efialtes, e apanhados nus com seu amante Afrodite em uma rede, enquanto sua encarnação tanto no DCEU como nos quadrinhos originais da DC é muito mais poderosa, capaz, séria, inteligente e temível.

Links externos

Há uma galeria de imagens para Ares. DC Comics 2016 logo

Referências

  1. 1,00 1,01 1,02 1,03 1,04 1,05 1,06 1,07 1,08 1,09 1,10 1,11 1,12 1,13 Heinberg, Allan, Snyder, Zack, Fuchs, Jason (escritores) & Jenkins, Patty (diretora) (22 de junho de 2017). Wonder Woman.
  2. Terrio, Chris, Whedon, Joss (escritores) & Snyder, Zack (diretor) (17 de novembro de 2017). Justice League.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.